As cidades do futuro saídas da ficção: Wakanda forever

Tempo de leitura 12 minutos | Ver versão limpa

A tecnologia nos dá o poder de melhorar nossas vidas em vários aspectos e promove abundância, mas um tema que não cansa de brincar com o nosso imaginário é o futuro. Seja nos livros, animações, quadrinhos ou filmes, a ficção já espelhou o que esperamos de uma cidade do futuro. Muitos desses planos que nasceram em mentes criativas vem tomando forma na realidade e é justamente sobre isso que vamos falar!

Dentre as várias perspectivas para o amanhã, algumas coisas se mantém e até alicerçam essas visões para a cidade do futuro que, inclusive, já começamos a construir. Uma delas, baseada em um dos filmes de herói mais emblemáticos dos últimos chama a atenção pelas características do projeto.

O que é uma cidade do futuro?

A primeira coisa que surge à mente quando queremos definir uma cidade do futuro é uma cidade tecnológica, mas vai um pouco além disso. Em outubro de 2019 aconteceu em Kiev, na Ucrânia, a segunda edição da conferência Architecture of the Future que discutiu exatamente algumas dessas perspectivas. Ficou claro que um dos, se não o principal, desafio da indústria é saber lidar com a rápida e constante transformação das necessidades humanas, como estar de acordo com as novas tecnologias e de que forma unir esses dois fatores relacionados com tempo presente. No evento, foram identificados sete pontos principais relacionados às cidades do futuro, vejamos:

  1. Mudanças climáticas: mais do que sustentável, a cidade do futuro precisa estar voltada para a economia de recursos.
  2. Tecnologias de ruptura: reuso adaptativo, parametrização do processo criativo, IA (inteligência artificial), robótica, impressão 3D e realidade virtual são apenas algumas das tecnologias que vão revolucionar a forma como os profissionais da área trabalham.
  3. Novos materiais construtivos: a tecnologia impacta de uma forma menos óbvia aqui e é resultado da união dos pontos citados anteriormente.
  4. Desenho urbano: as teorias ainda são muito divergentes, mas uma certeza é que vai existir um redesenho urbano que pode até já estar acontecendo.
  5. Big data e comportamento humano: o conceito de “cidade inteligente” é mais abrangente do que imagina, os dados vão ser cada vez mais e melhores analisados para entregar uma cidade voltada ao bem estar das pessoas.
  6. Co-working e co-living: interações humanas vão ser ainda mais valorizadas e os espaços vão precisar ser pensados também no coletivo.
  7. Arquitetura extraterrestre: já foi dada a largada na nova corrida espacial, e os projetos habitacionais fora da Terra?

As necessidades humanas estão se transformando cada vez mais rápido, as novas tecnologias surgem e evoluem ainda mais rapidamente. O desafio de projetar cidades centradas no ser humano começa na identificação dos fatores que influenciam esse processo.

As possibilidades para cidades do futuro

Quando se fala em cidade, pensamos logo naquela visão urbana, naquele aglomerado de pessoas e naqueles ecossistemas bem particulares. Mas e se a cidade do futuro for justamente uma cidade que sofreu impactos da tendência à desurbanização?

Esse foi tema de um painel que mediei no Ayoo Summit e reuniu nomes como Letícia Setembro, Alexandre Stuber e Roberta Vasconcelos justamente para discutir as cidades do futuro sob a ótica do redesenho e eficiência urbanos.

Vivíamos um mundo cada vez menor, no qual tudo vinha ficando mais perto, mais adensado, o que tem lógica para um melhor aproveitamento dos recursos. Esse movimento foi substituído por outro, com as pessoas menos aglomeradas. As barreiras caem e elas começam a trabalhar remotamente e a mobilidade fica cada vez mais eficiente o que reduz a necessidade de estarmos próximos a determinados serviços.

Estávamos acostumados a condicionar a escolha do local de moradia associada ao local de nosso trabalho ou de serviços necessários e essa dinâmica está em acelerado processo de mudança. Novos fatores ganham peso nas escolhas que impactos, primeiramente, no mercado imobiliário, mas depois atingem outros como consequência. Morar mal, pagando caro por metro quadrado por uma facilidade de deslocamento não tem mais muito sentido. Isso faz com que o ecossistema urbano mude completamente e surjam novos modelos de negócios. Os moradores das cidades do futuro terão novas prioridades.

Ao imaginar o futuro podemos ter perspectivas extremamente superficiais, é importante enxergar esses pormenores até para estarmos mais preparados para viver esse amanhã.

Wakanda real?

Sim, Wakanda real! Talvez você já tenha ouvido falar que Akon, rapper americano de ascendência senegalesa, está decidido a construir a cidade do futuro. O projeto da Akon City é baseado em Birnin Zana, capital de Wakanda, famoso país que seria localizado no nordeste da África e faz parte do universo do Pantera Negra herói da Marvel, vivido no cinema por Chadwick Boseman, ator que morreu recentemente vítima de câncer. O interessante dessa cidade que ganhou mais atenção agora, sobretudo por conta da morte e seguidas homenagens ao ator que viveu o rei T-Challa. A ideia é construir uma cidade de verdade com uma área equivalente a 800 campos de futebol no litoral do Senegal empregando tecnologias do futuro.

Birnin Zana, a cidade inteligente dentro da fictícia Wakanda.

Cidade do futuro: Akon City

A ideia é que a Akon City seja um forte marco para o futuro, para África e para a humanidade de uma maneira geral. Uma cidade composta e com diversos meios de tecnologia, contando com transações financeiras feitas apenas numa criptomoeda chamada AKoin, por exemplo. É um projeto audacioso que já conta com o apoio do governo senegalês e arrecadou boa parte dos US$ 6 bilhões necessários para ser concretizado. Vale ressaltar que entre projetar e isso funcionar é algo que a gente só vai saber depois. Tecnologias variadas de transporte, energia limpa e outras muitas que vêm por aí devem estar nesta capital de uma Wakanda real. Os planos do cantor são de iniciar as obras em 2021.

A proposta inspirada em Pantera Negra chama atenção para cidades do futuro, mas isso não é novidade completa. Cidades modelo, cidades criadas como desenhos para o futuro já acontecem já aconteceram no passado em outros lugares. Montreal no Canadá, por exemplo tem grande estrutura dedicada à ecologia. O parque Jean Drapeau, onde fica o Circuito Gilles Villeneuve da Fórmula 1, engloba duas ilhas na capital da província de Quebec. Lá fica também o museu Biosphere, dedicado ao meio ambiente e tudo tem visual bastante futurista. Também é possível encontrar um ambiente de desenho para a produção de energia de maneira limpa e auto sustentável.

Em Singapura também há grandes estufas e cidades, ou pelo menos o que seria uma espécie de um bairro autossustentável. Na China você tem a primeira cidade do mundo projetada para ser autossuficiente. Xiong’an ficará perto de Pequim com capacidade para 5 milhões de pessoas para um futuro lockdown.

De onde vêm as cidades do futuro?

As referências de cidades do futuro que existem hoje são influenciadas por um dos exemplos mais célebres: o Epcot Center, o parque dentro do Walt Disney World na Flórida que foi idealizado pela Walt Disney como a cidade do futuro. Aliás, o Epcot Center, muito mais do que um parque de diversões originalmente era para ser a Cidade do Amanhã.

Como a ficção imita a realidade e a realidade imita a ficção, nesse caso a gente tem o Akon “copiando” ou inspirando-se no Pantera Negra para criar uma Wakanda real. O próprio universo da Marvel já copiou essa ideia do Epcot Center, das grandes feiras. No Homem de Ferro 2, filme estrelado pelo Robert Downey Jr, há uma uma feira de exposição que é uma cidade de certo modo, baseada no desenho original do Walt Disney para o Epcot Center. Aliás, o personagem do Howard Stark, pai do Tony Stark que é o Homem de Ferro, é muito baseado no Walt Disney. Ele aparece em gravações, dentro do filme, explicando sua proposta futurística numa linguagem muito semelhante à usada por Disney para explicar a ideia por trás do seu legado e de como ele enxergava o mundo para o futuro.

Isso é interessante de entender porque muitos desses personagens, fictícios ou não, são pessoas que desenham um futuro. Muitas vezes me perguntam, por exemplo, o que é um futurista e talvez a melhor explicação é de que se trata de alguém que desenha cenários e projeta esses esses faróis, esses caminhos para o futuro para que outras coisas possam se desenvolver.

As pessoas que constroem o futuro

Hoje talvez a pessoa mais célebre que nós tenhamos na ativa de olhar e construir cenários futuros é o Elon Musk, à frente da Tesla que ele não fundou, mas de onde é o principal investidor, além da Space X, da Boring Company de outras empresas por aí. Ele busca desenhar os caminhos para futuro. Lembra quando falamos da arquitetura extraterrestre? O Musk é uma figura importante na nova corrida espacial e tem como meta levar a humanidade para Marte. A partir da iniciativa dele, outros players passaram a investir no espaço. A Blue Origin, do Jeff Bezos, o Richard Branson da Virgin Galatic, todos eles buscando essa exploração espacial. Já percebemos o tema voltando ao mainstream, as pessoas começaram a falar isso de novo.

Já com a Testa, ela não será necessariamente a maior montadora do mundo, mas foi a primeira a puxar neste século a mudança da matriz energética de veículos, levando as gigantes de setor automobilístico a acompanharem a tendência que ele apontou. De fato, tem acontecido já que se pode ver os carros elétricos sendo desenvolvidos pelas diversas montadoras.

O futuro é agora

O futuro não chega de maneira uniforme, ao mesmo tempo, para todo mundo, mas o movimento inicia-se em algum ponto. O recado que quero deixar é que você enquanto indivíduo e algumas pessoas ao seu redor podem desenhar algo ou podem inspirar-se em algo que foi desenhado e assim construir um futuro diferente. Basicamente, construir o futuro começa assim fazendo alguma coisa no hoje.

Convido vocês a pesquisarem sobre como será a Akon City e compará-la com Brining Zana para avaliar se é mesmo uma Wakanda real, ver o que está mais próximo e que é diferente além de checar se ela está de acordo com os sete pontos definidos por especialistas para as cidades do futuro. No final, você acha que pode dar certo ou não? Wakanda Forever para todos vocês.

Luiz Candreva é um dos principais futuristas brasileiros. Head de inovação da Ayoo, diretor de criação do Disruptive.MBA, board member do Hub/SP; digital innovation advisor de empresas dos segmentos automotivo, de bens de consumo e de construção; e palestrante com mais de 400 apresentações em 9 países diferentes e recordista mundial de KiteSurfing.

Veja todos os posts deste autor...
O que achou? Deixe seu comentário