Futuro da Mobilidade: Embraer vende seus primeiros 250 eVTOLs

Tempo de leitura 7 minutos | Ver versão limpa

Está cada vez mais próximo o dia em que veremos carros voadores cruzando os céus das grandes cidades. A Eve – startup de mobilidade urbana aérea ligada à Embraer – anunciou a venda de 250 veículos elétricos que pousam e decolam na vertical. Os eVTOLs da Embraer foram encomendados pela Helisul Aviaton, brasileira e uma das maiores operadoras de helicópteros da América Latina, e pela Halo, empresa com forte presença nos mercados de táxi aéreo e fretamento de helicópteros nos Estados Unidos e no Reino Unido.

Os carros voadores projetados pela Eve Urban Air Mobility Solutions devem ser entregues em cinco anos. São aeronaves elétricas e com possibilidade de voo autônomo para o futuro. Os eVTOLs da Embraer têm design futurista, são silenciosos, decolam e pousam na vertical e são acessíveis para pessoas com deficiência.

As empresas que compraram estas aeronaves elétricas já têm planos: os 200 da Halo devem operar em Londres e Nova York enquanto os 50 da Helisul devem ficar nas maiores cidades do Brasil.

Onde voarão os eVTOls da Embraer?

eVTOL da Embraer, desenvolvido pela startup Eve, deve estar nos céus do Brasil, Nova York e Londres até 2026

Veículo aéreo elétrico pousa e decola na vertical, sendo até 80% mais silencioso que um helicóptero.

Esta é a maior encomenda de eVTOLs já realizada até hoje, mas o valor da transação não foi divulgado. A sede da Eve fica em Melbourne, na Flórida (EUA). Num comunicado, a Halo, controlada pelo fundo de investimento norte-americano Directional Aviation, informou que optou pelos veículos da startup ligada à Embraer após avaliar cerca de uma dúzia de projetos de carros voadores.

Divulgada menos de uma semana depois, a parceria com a Helisul prevê, além da encomenda das aeronaves, a criação de uma estratégia para preparação do ecossistema de mobilidade aérea urbana (UAM) no Brasil. Eve e Helisul já trabalham em conjunto para criar soluções de UAM aproveitando a infraestrutura de táxi aéreo existente no Brasil, uma das maiores do planeta. Os valores do negócio não foram divulgados.

Diversas empresas estão na corrida para desenvolver estas aeronaves, que são vistas como alternativas de mobilidade urbana, reduzindo congestionamento, melhorando a qualidade do ar e com baixo ruído. Além da Embraer, diversas companhias aeronáuticas, como Airbus, fábricas de automóveis, a exemplo da Toyota, além de gigantes de tecnologia, como Uber e Google, têm projetos em andamento de eVTOLs.

Aeronave da Eve tem boa aceitação no mercado internacional

A Directional Aviation já é cliente da Embraer. Tem em seu portfólio jatos executivos Phenom, Praetor e Legacy, fabricados pela aeronáutica brasileira. “O excelente legado de design, certificação e produção de aeronaves que a Embraer traz para esse eVTOL posiciona a Eve com vantagens importantes no cenário competitivo”, informou o fundo em nota. “Acreditamos que a Eve está projetando uma aeronave bem preparada para a certificação inicial e, além disso, apresenta um histórico comprovado de produção.”

Para André Stein, presidente e CEO da Eve, a parceria com a Halo é um passo importante para a empresa assumir uma posição de liderança na indústria global da mobilidade aérea urbana elétrica. Já o acordo com a Helisul, avalia, permitirá inovar a infraestrutura brasileira de táxi aéreo e prepará-la para o futuro do transporte aéreo nos centros urbanos. “Estamos prontos para construir o futuro da mobilidade com nossos parceiros de forma colaborativa”, declarou Stein em comunicado à imprensa.

Primeiro voo virtual marca progresso de veículo aéreo

Após alguns anos na incubadora de tecnologias disruptivas EmbraerX, a Eve tornou-se, em outubro de 2020, a primeira startup a se tornar autônoma deste sistema. A companhia tem progredido na sua aeronave. Em julho de 2020, a equipe realizou o primeiro voo em simulador do eVTOL da Embraer.  

Pela divulgação inicial, a expectativa é de que o veículo tenha capacidade de quatro ocupantes e autonomia de voo de 100 quilômetros, abastecido com eletricidade. Os veículos voadores devem ser 80% mais silenciosos que os helicópteros com motor a combustão e custo operacional 50% menor. Além disso, não emite gases poluentes. 

eVTOL da Embraer tem foco na mobilidade urbana do futuro, com autonomia de até 100km sem recarregar.

Aeronaves compradas pela Halo devem voar em Londres e Nova York até 2026.

Controle do espaço aéreo é desafio para eVTOLs da Embraer

Para que estes novos veículos possam operar em céus brasileiros, será necessária uma grande reformulação do controle de tráfego. Por isso, em paralelo ao projeto do eVTOL, a Embraer investe na Atech. Esta empresa desenvolve um sistema de gerenciamento de tráfego aéreo que permita integrar a futura demanda de espaço aéreo urbano com a presença das novas aeronaves. A Eve também lidera um consórcio no Reino Unido para solucionar questões regulatórias e operacionais e viabilizar a operação de seu equipamento no espaço aéreo britânico.

Outro movimento que nos aproxima dos carros voadores é a parceria entre a Eve e a Ascent, com sede em Singapura. O foco é acelerar o desenvolvimento do ecossistema de Mobilidade Aérea Urbana (UAM) nos mercados da Ásia-Pacífico. O acordo abre as portas para o veículo elétrico de decolagem e pouso vertical da Eve na crescente plataforma tecnológica que permite fretar aeronaves, comprar assentos em voos fretados e organizar operações de UAM.

O eVTOL da Embraer poderá oferecer, na região, serviços de táxi aéreo, carga e transporte médico. A Ascent compartilha uma base de dados de companhias aéreas urbanas de serviços dedicados em toda a Tailândia e nas Filipinas. O novo equipamento poderá levar sustentabilidade e democratizar o acesso à mobilidade aérea.

Fontes: Fapesp e EmbaerX

O que achou? Deixe seu comentário